Something\’s burning [or a fancy name for Esturrico]

Abril 29, 2007

uma coisa DISGUSTING

Filed under: Chef Convidado,Doces,Festas — by lucy blogzira @ 10:27 am

Para enjoar a família toda, podes fazer “Ácido de Estômago”. (que vem do meu livro para crianças, “O Livro das Receitas Nojentas” (ed. Guerra e Paz e Produções Fictícias) que saíu a semana passada!)

É uma outra maneira de dizer gelatina com gás, que é uma experiência estranha a primeira vez que provas.

Basicamente, faz um pacote de gelatina, (um pacote que dá para fazer um meio litro) e derrete a gelatina em só 200ml de água a ferver. Quando estiver morna, suavemente adiciona 300ml de refrigerante gasoso (qualquer coisa ácida: limão/laranja/maracujá… o melhor é “ginger beer” se consegues encontrar) e deixe no frigorífico durante umas horas.

Para ser mais divertido, não digas à gente que tem gás.

acid.jpg

Anúncios

Abril 25, 2007

Carapauzinhos alimados

Filed under: Chef Convidado,Pratos de Peixe,Regional — by ruicarmo @ 6:45 pm

Para quem está farto das carnes, prefere o peixe, está preocupado com o conseguir enviar-se dentro da roupa Primavera/Verão e opta por uma cozinha alternativa (bom…já os vi em hóteis de luxo no Algarve…mas não é a mesma coisa). E porque é um prato fresco e muito, muito saboroso e animado.

Para seis pessoas:

Dois, três quilos de carapaus (médios ou pequenos);

Sal.

Tira-se a cabeça e a barriga aos peixinhos. Lavam-se bem e colocam-se num daqueles recepientes com uns furinhos. Os carapaus são lá colocados, bem cobertos por sal e às camadas (uns por cima dos outros). Guarde-os no frigorífico.

No dia seguinte, lavam-se e colocam-se num tacho com água a ferver. Os carapaus devem ser mergulhados um a um e depois da água recomeçar a ferver, deve esperar entre três a quatro minutos.

Então, escorre-se a água do tacho que é substituída por água fria e são alimados. Isto é, pega-se em cada peixe e tira-se-lhes a pele, (como se os estivesse a esfolar), até os carapaus ficarem despidos. Agora sim, podem ir para a travessa. Estão alimados.

Para acompanhar, cozem-se batatas brancas ou doces (é como prefiro). No prato, são temperados com azeite, vinagre e alhos a gosto. É inevitável a presença da salada de tomate com cebola e muitos, muitos oregãos. Bom proveito.

Favas à algarvia

Filed under: Chef Convidado,Regional — by ruicarmo @ 6:17 pm

Comigo, o destino gastronómico é sempre o Sul. Nem sempre elitista.

Para seis pessoas, são precisos:

cinco quilos de favas (ainda com casca);

uma mão cheia de coentros;

rama de alho (ou em substituição quatro ou cinco dentes de alho);

umas folhinhas de hortelã;

sal.q.b;

150 gr de toucinho (do grosso, alto e com sal);

150 gr de morcela (preta, algarvia) difícil de encontrar a partir de Odeceixe.

Descascadas as favas, colocam-se na panela de pressão com os alhos, coentros, hortelã e um pouco de sal. Juntam-se a estes ingredientes dois grandes copos de água e um bocadinho de azeite (uma ou duas colheres). Deixa-se ferver durante 10 minutos (menos minuto, mais minuto).

O toucinho e a morcela, já cortados, são previamente fritos. É agora tempo para colocar na panela, a gordura dali resultante. Destapada a panela, convém que vá dando umas voltinhas. Para as favas  lhe tomarem o gosto.Prova-se para testar o tempero. E já está.

Este prato é sempre acompanhado por uma generosa salada de alface e tomate e com peixe frito: jaquinzinhos, petinga  ou ambos. Mas qualquer peixe serve, até o peixe-espada.

Abril 22, 2007

Massa de 3 queijos da Lia

Filed under: Entradas,Food/Cook for one,Vegetariano — by aL @ 10:09 pm

A festa de aniversário da minha amiga Lia começou ontem à noite com uma excelente tábua de queijos e vinho. Hoje passámos a tarde na praia, de regresso a Lisboa a fome apertava e a Lia lembrou-se de nos presentear com a sua massa, vinda directamente de Veneza, gratinada com os restos dos queijos da noite anterior.

Para 4 Pessoas

Ingredientes:

200 gr de macarrão grande
50-75gr de queijo mozzarella
50-75gr de queijo camenbert
50-75gr de queijo chévre
3 colheres de sopa de doce de tomate
sal
orégãos

(more…)

Abril 18, 2007

o que fazer com elas? ou o algaramojo

Filed under: Chef Convidado,Pratos de Peixe,Regional — by jmnk @ 6:55 pm

Falo de sardinhas é claro.Trata-se de uma receita um tanto obscura que apenas conheço na família. Nunca a vi escrita em nenhum livro de cozinha do baixo alentejo, e olhem que procurei. O algaramojo serve como variante mais leve e fresca à típica sardinhada ou como forma de reaproveitar as sardinhas do dia anterior. As ditas, depois de assadas, são amanhadas para retirar a pele, a barriga e a ponta do rabo, e reservam-se até arrefecerem. Os pimentos (a gosto) e uma (ou duas) cabeças de alho são assados (pode ser mesmo no bico do fogão; a cabeça de alhos assa inteira). Depois de limpos das peles e partes mais escuras são cortados às fatias os pimentos e ao meio os dentes de alho. Cozem-se batatas e cortam-se aos bocados. O tomate maduro (assado também serve) é cortado também aos bocados. Mistura-se tudo e tempera-se com pouco sal, azeite (de Moura) e água fria. Convém apenas juntar as sardinhas à mistura quando for servida a refeição para o líquido não começar a oxidar (escurecer). Acompanhar com fatias generosas de pão alentejano.
A posologia dos ingredientes é bastante liberal; o “olho” do responsável e a quantidade de convivas devem ditar as leis.

Abril 15, 2007

Pão de Ló parecido com o de Ovar

Filed under: Chef Convidado,Doces — by Helder Ferreira @ 11:55 pm

Ingredientes:

8 gemas de ovo

2 claras de ovo

8 colheres de sopa de açúcar

4 colheres de sopa de farinha (c/ ou sem fermento)

3 colheres de água

1 colher de café de fermento

Preparação:

Aquecer o forno a 250º, ligando o aquecimento de ambos os lados (em cima e em baixo).

Num recipiente, bater as claras em castelo. Noutro, juntar todos os outros ingredientes e bater até formar “bolhinhas”. Juntar as claras em castelo e misturar bem com uma colher de pau ou um Salazar. Numa forma redonda, cobrir o fundo e os lados com papel para bolos (é parecido com vegetal). Encher com a mistela e levar ao forno. Ao fim de uns dois minutos, desligar a parte de cima e deixar ligado apenas por baixo da forma. Ao fim de mais ou menos quinze minutos deve estar pronto. Há quem espete um palito e quando este sai seco, considera pronto. Eu gosto do pão de ló ligeiramente húmido.

Servir no papel e acompanhar com uma boa aguardente velha. Se abusarem ficam com a voz como a do senhor no vídeo acima a cantar uma das minhas favoritas: Sixteen Shells and a Thirty-Ought Six.

Noodles [aL’s way]

Filed under: Étnico,Vegetariano — by aL @ 10:41 pm

No meu local de trabalho existe um pátio interior coberto muito simpático, que costumamos usar como espaço de almoço. Estes dias a Menina Joana levava para almoçar um Chao-Min que me deixou com os olhos em bico [esta é uma expressão típica da Menina Joana, que neste contexto tem mais piada].

Assim, passados 2 dias aventurei-me a fazer uns noodles lá em casa, e ficou muito bom!

Para 4 pessoas
Ingredientes:

200 gr de cogumelos frescos
100gr de feijão verde
3 cenouras
250 gr de rebentos de soja
150 gr de noodles
azeite
molho de soja

(more…)

bacon verde

Filed under: Chef Convidado,Salgados — by lucy blogzira @ 3:11 pm

Gosto de mais ou menos qualquer forma da carne do porco curado. Mas a minha favorite é a forma mais simples, bacon não fumado. Sim, aquele tipo que nos os bifes comemos em grandes quantidades.

Não sei se existe em Portugal ou não, mas nunca encontrei bacon não fumado. De vez em quando encontro em supermercados pacotinhos importados de bacon deste tipo, da Holanda ou da Inglaterra, mas são sempre de baixa qualidade e bastante caros. (a fiambre não fumado, em inglês, chama-se fiambre verde… bem.. agora chamo bacon não fumado bacon verde, não sei se isto é certo, mas sempre gosto de inventar mais treta…)

Finalmente depois de saudades demasiados de sandes de bacon (pão bom, bacon frito, mais nada) encontrei uma maneira de curar bacon em casa. É barato e sabe muito MUITO melhor.
bacon

Compra uma peça de porco. Entremeada é boa se gostes de bacon “streaky”… lombo se gostes só da carne. (não faças demais de cada vez, porque não posso recomendar guardar o bacon muito mais de duas semanas).

Faz uma mistura de 500g sal grosso, 200g açúcar moscovado, duas folhas de louro (partidas) e muito pimenta preta moída.

Esfrega o porco bem em todo o lado com a mistura. Generosamente com a mistura.

Guarda a carne num tupperwarezinho fechado no frigorífico e guarda a mistura numa outra caixa.

O dia depois, deita fora o liquido que se encontra na caixa da carne. Esfrega bem outra vez com mistura. Mete de novo no frigorífico.

Repetindo isto durante 4 dias, terás um bacon ligeiramente curado. BOM PARA SANDES.

Para um bacon mais rijo, mais presuntoense (!), cura durante uma semana.

Ao fim da curagem (is that a word?), limpa o bacon em água fresca, deixa secar durante 24 horas num sítio fresca e seca, e depois guarda em papel vegetal no frigorífico. Devia durar até quinze dias assim (muito mais, se muito curado). Até pode se congelar.

Fatia finamente, e frita. Come em sandes. O pequeno almoço perfeito.

Abril 14, 2007

Salada de cuscuz

Filed under: Vegetariano — by mjfirme @ 12:59 pm

Este cereal é muito fácil de ser feito. Então para uma pressa é óptimo!!

Ingredientes:

1 taça de cuscuz

sal

azeite

limão

hortelã

2 ovos cozidos

1 pepino

1 tomate

(pode-se sempre acrescentar mais coisas, por exemplo atum, queijo feta, pickles, carnucha, outro legume ou vegetal. No fundo o que houver em casa!)

(more…)

Abril 10, 2007

English Cookery?

Filed under: Chef Convidado,Pratos de Peixe — by lucy blogzira @ 4:03 pm

Já sei, já sei, uma inglesa a escrever da cozinha. Deve ser uma brincadeira. A nossa reputação, infelizmente, é bem merecida. Uma grande parte dos ingleses que conheço não seriam capazes cozinhar uma sandes. Se já visitaste Inglaterra, na forma de Londres, já sabes que, sem gastar €200 por pessoa na Ritz, é muitíssimo difícil comer bem (a não ser indiana, porque a comida indiana em Londres é da melhor, igualmente a chinesa em Chinatown). Felizmente a história é um bocado diferente fora de Londres, mas, como a sinalização das estradas em
Portugal, é sempre melhor saberes o caminho antes que vais.

E FELIZMENTE, uma grande outra parte dos inglesas é espantosa, brilhante e espertíssima a cozinhar 🙂

Ora bem, hoje, trago vos Beans on Toast, ou seja, Feijões na Torrada.
beans on toast

BUT REALLY:

(more…)

Página seguinte »

Site no WordPress.com.