Something\’s burning [or a fancy name for Esturrico]

Abril 25, 2007

Carapauzinhos alimados

Filed under: Chef Convidado,Pratos de Peixe,Regional — by ruicarmo @ 6:45 pm

Para quem está farto das carnes, prefere o peixe, está preocupado com o conseguir enviar-se dentro da roupa Primavera/Verão e opta por uma cozinha alternativa (bom…já os vi em hóteis de luxo no Algarve…mas não é a mesma coisa). E porque é um prato fresco e muito, muito saboroso e animado.

Para seis pessoas:

Dois, três quilos de carapaus (médios ou pequenos);

Sal.

Tira-se a cabeça e a barriga aos peixinhos. Lavam-se bem e colocam-se num daqueles recepientes com uns furinhos. Os carapaus são lá colocados, bem cobertos por sal e às camadas (uns por cima dos outros). Guarde-os no frigorífico.

No dia seguinte, lavam-se e colocam-se num tacho com água a ferver. Os carapaus devem ser mergulhados um a um e depois da água recomeçar a ferver, deve esperar entre três a quatro minutos.

Então, escorre-se a água do tacho que é substituída por água fria e são alimados. Isto é, pega-se em cada peixe e tira-se-lhes a pele, (como se os estivesse a esfolar), até os carapaus ficarem despidos. Agora sim, podem ir para a travessa. Estão alimados.

Para acompanhar, cozem-se batatas brancas ou doces (é como prefiro). No prato, são temperados com azeite, vinagre e alhos a gosto. É inevitável a presença da salada de tomate com cebola e muitos, muitos oregãos. Bom proveito.

Anúncios

11 comentários »

  1. “Para acompanhar, cozem-se batatas brancas ou doces”

    Para falar a verdade, não há muito tempo, fiquei um bocado surpreso quando, num restaurante em Lagos, pedi carapaus alimados e me apareceu batata doce (mas claro, nada que se compare ao choque que sofri quando pedi cabidela num restaurante em Lisboa)

    Comentar por miguelmadeira — Abril 25, 2007 @ 10:15 pm |Responder

  2. Miguel, cabidela é com ARROZ!!!! 😛 [quando é que apareces pela cozinha para nos deixar mais uma receita, pá?! a porta está aberta ;)]

    bem, rui este prato nem dá muito trabalho nem nada, ahahah!!!
    a 1ª vez que comi batata doce foi mesmo num thanksgiving dinner, em versão puré, e fiquei fã!

    Comentar por aLaíde costa — Abril 26, 2007 @ 1:02 am |Responder

  3. Os três ou quatro minutos, não é muito tempo?, especialmente para os caraupauzinhos mesmo pequenos, os melhores para os “alimados”?

    O ano passado, em Ferragudo, provei sardinhas/petingas alimadas. Não fica nada mal!

    (Rui Carmo, comigo, o destinho gastronómico também é quase sempre o sul! É bom saber que não estou sozinho.)

    (Miguel, por acaso há uns tempos criei um prato de carapaus alimados com creme aveludado de batata doce. Penso que faz todo o sentido, acompanhá-los com batata doce, dadas as tradições desta no Algarve. Na altura tinha um algarvio à mesa, e ele disse-me que a combinação não lhe era estranha.)

    (Alaíde, dá mais trabalho do que parece. Deixar os peixinhos bem alimados, sem os desfazer, não é tarefa fácil para quem não tem muita prática.)

    Comentar por Anónimo — Abril 26, 2007 @ 1:20 pm |Responder

  4. O comentário anterior é meu, CMF (Carlos Miguel Fernandes)

    Comentar por CMF — Abril 26, 2007 @ 1:21 pm |Responder

  5. Caro CMF,
    Penso que 3, 4 minutos não sejam excessivos. Mas pode ser menos, se a quantidade de peixe for menor ou se forem jaquinzinhos…

    Comentar por Rui Carmo — Abril 26, 2007 @ 1:27 pm |Responder

  6. “Penso que faz todo o sentido, acompanhá-los com batata doce, dadas as tradições desta no Algarve.”

    Provavelmente o Rui Carmo poderá explicar melhor, mas penso que a batata doce é uma tradição, sobretudo, da Costa Vicentina (Lagos, Vila do Bispo, Aljezur). Como eu vivo em Portimão e a minha familia é de zona de Albufeira-Loulé-Faro, não tenho grande familiaridade com a batata-doce (embore adore outros produtos “vicentinos”, como percebes e sargos).

    Comentar por Miguel Madeira — Abril 26, 2007 @ 1:38 pm |Responder

  7. “quando é que apareces pela cozinha para nos deixar mais uma receita, pá?!”

    P.ex., máquinas fotográficas torradas com manteiga?

    Comentar por Miguel Madeira — Abril 26, 2007 @ 1:40 pm |Responder

  8. Rui Carmo, é isso, eu costumo fazê-los com jaquinzinhos. Dá uma trabalheira!, mas depois o resultado é fantástico!

    Miguel, o meu convidado era da zona de Tavira, e lá, pelo menos, também se come batata-doce com frequência. Mas é verdade, é de Aljezur a maior tradição de batata-doce no Algarve.
    De Portimão ganhei há uns anos nova “família”, e julgo que a batata-doce não lhes é muito estranha, mas um dia deste vou perguntar.

    Comentar por CMF — Abril 26, 2007 @ 1:48 pm |Responder

  9. máquinas fotográficas torradas com manteiga?

    SIM!!!!!! queremos ver imagens de desastres gastronómicos! eu como sou uma dona-de-casa muito prendada não tenho desastres para a troca 😛

    Comentar por aL — Abril 26, 2007 @ 3:16 pm |Responder

  10. “queremos ver imagens de desastres gastronómicos!”

    Então, um dia destes eu ensino-vos a grelhar um micro-ondas.

    Comentar por miguelmadeira — Abril 26, 2007 @ 6:13 pm |Responder

  11. Adoro carapaus

    Comentar por isabel — Abril 2, 2009 @ 5:15 pm |Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: