Something\’s burning [or a fancy name for Esturrico]

Dezembro 23, 2007

borrego da tia espanhola vs. Sufjan Stevens

Filed under: Chef Convidado,Pratos de Carne — by jmnk @ 6:32 pm

De outros natais atrás no Alentejo lembro-me bem da minha tia espanhola sempre muito pintada, atazanando os sobrinhos com beijos, abraços e apertões. Não gostava que ela cumprisse a função de tia apenas no dia de reis, mas gostava do que ela cozinhava.

(para 6 pessoas)
– 1kg de perna de borrego desossada;- 1 pimento vermelho;
– 2 dentes de alho picados;
– 1 cebola picada;
– 120g de presunto em quadrados;
– 500g de tomate pelado de conserva;
– 2 colheres de sopa de azeite; e
– sal e pimenta.

Assar o pimento no bico do fogão tento o cuidado de o virar constantemente. Retirar a pele debaixo de água fria. Retirar as sementes e cortar o pimento em tiras. Cortar a carne em cubos limpando todo o excesso de gordura e temperar de sal e pimenta. Aquecer o azeite numa panela de fundo grosso, juntar os alhos e deixar alourar e depois juntar a cebola. Adicionar a carne de borrego e o presunto deixando cozer em lume brando uns 10 min. Misturar o pimento e o tomate pelado, assim como o molho da conserva. Continuar a cozer em lume brando, destapado, durante cerca de 40 min. Servir com arroz branco ou batata cozida, e uma salada verde.

Sufjan Stevens – Put the lights on the tree (porque é Natal…)

Anúncios

Dezembro 18, 2007

Bolo da avó Micas

Filed under: Chef Convidado,Doces — by ruicarmo @ 9:49 pm

No aniversário de um amigo comum, a Maria (que gosta que a chamem de Papoila, embora a veja como a Betty Boop de carne e osso) deu-me a provar o melhor bolo de frutos secos que já me passou pelas goelas. Pedi-lhe a receita. Experimentei e curiosamente o resultado foi razoável. Façam o favor de experimentar.

Ingredientes:
6 ovos
250gr de margarina
200gr de açúcar amarelo
300gr de farinha
2c de fermento
raspa de 1 limão
2 colheres de sopa de mel
2 c.sopa de licor/vinho do porto/ moscatel (acentua o sabor do mel e
cai sempre bem com os frutos secos)

Frutos secos a gosto, sugestão:
50gr de passas (tintas de preferência)
50gr de amêndoas (podem ter casca)
50gr de pinhões (ou avelãs que os pinhões e$tão pela hora da morte)
100gr de nozes inteiras (metade para a cobertura)

Para a cobertura: 50gr de açúcar amarelo, nozes para enfeitar.

Derrete-se a margarina e adiciona-se o açúcar. Depois os ovos inteiros, o
mel, o licor, a raspa de limão. Junte o fermento à farinha e misturar à preparação. Por fim, acrescente os frutos secos ligeiramente moídos (guardar um pouco para colocar por cima da massa).

Colocar numa forma com buraco ao meio depois de barrada com margarina
e um pouco de farinha, juntar o resto dos frutos secos por cima do reparado. Levar ao forno durante cerca de 40 minutos. Derreta o restante açúcar numa frigideira pequenina, mexendo sempre até ficar cor de caramelo (ou até parecer a espuma de um café expresso bem tirado). nfeitar com as restantes nozes.

Bom proveito.

bolinho-betty-boop.jpg

Dezembro 14, 2007

Dezembro – Ordem para comer

Filed under: Chef Convidado,Doces,Festas,Receitas Afrodisíacas — by eduardamaria @ 5:30 pm

Trago-vos, à sexta, uma sobremesa para o fim de semana. Hoje são duas versões dum bolo (uma delas aprendi com as famosas two fat ladies)

ADULT CHOCOLATE CAKE I
Here is a cake to satisfy the chocoholics to the fill. I say cake, but it contains no flour and is more like a baked mousse with crispy sides. Whatever it is, it is outrageously rich and therefore highly recommendable.

8 ounces good bittersweet Chocolate
1 cup (2 sticks) unsalted butter, softened
1/2 cups sugar
5 eggs

Grease a cake pan.Break the chocolate into a bowl large enough to receive all the other ingredients. Set over a saucepan of barely simmering water until melted. Remove from the heat and cool slightly. Cut the butter into little pieces and beat into the chocolate. Add the sugar and blend well, beating thoroughly. In another bowl, beat the eggs until very frothy and foamy, then gently fold into the chocolate mixture; make sure everything is thoroughly combined.
Pour the mixture into the cake pan and place it in a roasting pan containing enough water to come up 1 inch of the cake pan’s side. Bake in a preheated oven at 350°F for 1 hour, and then let it cool completely in the pan. When cold, remove from the water-filled pan and chill in the refrigerator overnight. Do not attempt to eat it while still warm. When ready to eat, run a metal spatula around the edge of the pan and, with a good thump, unmold the cake. Serve with whipped cream or ice cream. It’s a killer.

(more…)

Novembro 18, 2007

Francesinhas

Filed under: Chef Convidado,Regional — by Gabriel Silva @ 10:06 pm

Neste dia, 18 de Novembro, assinalam-se os 200 anos do início das Invasões dos bárbaros chamados de franceses.

Não haverá localidade, casa senhorial minhota ou igreja do norte onde ainda hoje, não seja possível escutar histórias e ver vestígios das mal-feitorias, dos saques, destruições e de como se esconderam preciosidades daquela turba insana que por estas bandas fez a desgraça e provocou a destruição de tudo e todos. Dirão uns que, à parte os malefícios «naturais» de uma guerra, terão por cá deixado as suas influências positivas. Não caberá aqui e agora discuti-las.

Mas felizmente, não reza a história nem as crónicas que se tenham dedicado à introdução de inovações culinárias. Pelo contrário, o seu estômago faminto após a pilhagem certamente se terá consolado com os bons, velhos e saudáveis petiscos e pratos tradicionais da secular culinária portuguesa.

Ora, leva por terras portuenses o nome de «francesinha» um prato que nas últimas décadas tem conseguido tornar-se concorrencial em termos identitários das não menos afamadas e deliciosas tripas.

Sucede que de francesas pouco terão. Apenas o pão, em forma de tosta. Que habitualmente se designava croque-monsieur (faite la liaison…). Com efeito terá sido pela década de 50 do século passado que Daniel David da Silva, empregado do restaurante Regaleira, ali na Rua do Bonjardim terá criado tal pitéu. Cujo sucesso é já do domínio do mito.

Que se prepara deste modo:

* Recheio da francesinha
– 2 fatias grossas de pão ligeiramente torrado
– fiambre;
– 2 fatias de queijo bola;
– 1 salsichas (de preferência fresca), grelhadas;
– linguiça grelhada;
– bife de vaca grelhado (se for carne de porco pode chamar a ASAE: é falsificação!!!);

*Molho
– 1 cerveja,
– 1 caldo de carne,
– 2 folhas de louro,
– 1 colher de sopa de manteiga,
– 2 cálices de vinho do Porto,
– 1 colher de sopa de farinha maizena,
– 2 colheres de sopa de polpa de tomate;
– 1 tomate fresco, pelado e limpo de sementes
– 1/2 copo de leite,
– 1 colher de café de piri-piri

Dissolver bem a maizena com o leite e juntar os restantes ingredientes e com um passador triturar tudo. Levar ao lume até ferver e engrossar. Mexer para não deixar pegar.

Fazer um sandwich com os ingredientes, colocando por baixo o fiambre, depois o bife, a linguiça e a salsicha aberta. Cobrir o pão com queijo. Regar com o molho. Levar ao forno a gratinar.

E para acompanhar enquanto se confecciona nada como uma francesinha. Das reais. Falsa portanto.

Je t’attends depuis la nuit des temps (1977), com uma muito jovem Jodie Foster (sim, é A Jodie Foster), com impecável pronúncia, mas num registo assim a puxar para o festival eurovisão…..

Novembro 15, 2007

vieiras com molho de agriões vs. Iron & Wine

Filed under: Chef Convidado,Entradas,Marisco,Receitas Afrodisíacas — by jmnk @ 11:13 pm

Ok, esta receita tem fama de afrodisíaca mas nunca me resultou. Por isso ficou arquivada na secção “never again”. Acontece que há coisa de umas semanas abrigo um adolescente que tem a mania irritante de me chamar “o primo porreiro”. Começou este ano os seus estudos universitários e domésticos. O atado da margem esquerda do Guadiana, que nunca fez a própria cama, anda a planear um jantar caseiro com a namorada (quando eu não estiver é claro) e pediu-me uma receita para “elevar a cena” (palavras dele). Estou a pensar ensinar-lhe esta na esperança que também não resulte:

– 4 vieiras com concha;
– 1 chalota;
– 1 colher sopa de manteiga;
– 2 dl de natas;
– 3 colheres de sopa de vinho branco seco;
– 1 molhe de agriões;
– 1 colher de sopa de farinha; e
– queijo parmesão a gosto.

Picar finamente a chalota e fritar na manteiga em lume brando. Juntar as natas aumentando um pouco o lume. Diluir a farinha no vinho branco e juntar lentamente às natas tendo o cuidado de ir mexendo sempre o preparado. Temperar com sal e pimenta branca deixando engrossar o molho. Lavar os agriões e picar numa batedeira. Lavar bem as vieiras em água corrente tendo o cuidado de separar o coral do músculo principal. Colocar primeiro o coral das vieiras na panela com o molho, e deixar cozer em lume brando entre 3 a 5 minutos, dependendo do tamanho do bivalve. Juntar as restantes partes das vieiras pouco antes de as retirar do lume. Com cuidado colocar as vieiras nas conchas. Misturar o agrião no molho em lume brando. Em seguida encher as conchas das vieiras polvilhando com queijo parmesão a gosto. Levar ao forno pré-aquecido por uns minutos apenas para gratinar o queijo. Servir com Champagne.

Iron & Wine – naked as we came (óbvio não?)

Novembro 14, 2007

Peixe ao sal

Filed under: Chef Convidado,Pratos de Peixe — by Helder Ferreira @ 11:37 pm

Viva o sal! E viva o Algarve!

 

Esta receita foi-me ensinada por uma amiga algarvia. Nem que fosse só por isso vale a pena ter esta excelente amiga.

 

Nota sobre os grelos salteados. Fui à procura de receitas a ver se havia alguma coisa que lhes pudesse acrescentar. Pois não é que esta merda é plágios atrás de plágios!? Foda-se! Houve um burro que chamou grelos salteados aos grelos cozidos e vai daí é alheiras com grelos salteados que é só cozer e está feito. Olha qu’esta! Anda aqui um gajo a esforçar-se para não copiar, para experimentar e só dá cozinheiros da treta, que nunca saltearam grelos na vida. Salvo seja.

 

Fiz isto só para mim e para a cria, por isso, não me responsabilizo pelas quantidades.

 

2 Douradas daquelas formatadas nos aviários (pode ser qualquer outro, robalo, sargo, etc)

Batatinhas pequenas para dois

1,5 Kg de sal

½ molho de grelos

1 cabeça de alho

Azeite

Pimenta (more…)

Novembro 9, 2007

SOS Mamã Di

Filed under: Chef Convidado,Doces,Festas,Pratos de Peixe — by eduardamaria @ 5:10 pm

O convite da Elise para eu meter uma colherada neste blog muito me honra e cá estou. Obrigada Elise pela forma como me apresentaste.
Por coincidência, saiu ontem este SOS e, se não se importam, o meu primeiro post aqui, vai para ela.

PEIXE COZIDO, MAS COM ESTILO

Ingredientes
Batatas
Peixe
Espinafres (podem ser congelados, mas em folha)
Molho bechamel*
Temperos

(more…)

Novembro 8, 2007

L’aventure, c’est l’aventure, c’est l’aventure

Filed under: Chef Convidado — by Elizabete Dias @ 10:29 pm

O Vinho do Porto na Obra de Eça de Queirós

O Esturrico, conta agora com mais uma chefe convidada, a Eduarda Maria , minha amiga virtual, grande admiradora de Eça de Queirós, e de boas receitas acompanhadas de boas prosas.
Sê bem-vinda Eduarda a este nosso cantinho e ignora o Rui Carmo quando este deambula pela cozinha, aponta para os pratos sujos e diz: “Eu não lavo isto!”
Nem ele, nem nós. Talvez o Hélder. 🙂

Aproveito também para dar os parabéns a todos os chefes convidados e à incansável aL. , que têm dado vida e sabor a este blog, tornando-o num dos blogs com maior crescimento no WordPress em PT. 

 Aos leitores, resta-me agradecer e realçar como a vossa presença e  comentários são importantes para todos nós.

Obrigada.

PS- Eduarda, como se faz aquela delícia que envolve After Eights e leite condensado, e….

Novembro 1, 2007

toffee apples

Filed under: Chef Convidado,Doces — by lucy blogzira @ 5:14 pm

maçãs em caramelo, maçãs carameladas? não sei, mas este feriado é a altura para toffee apples na minha terra…..

500g açúcar
150ml água
col. de chá. vinagre
50g. manteiga
corante vermelho (se quiseres)
6 maçãs (as mais estaladiças)

espeta as maçãs em espetos – arranja uma travessa untada com um bocado de óleo vegetal – derrete (numa panela forte e profunda) o açúcar com a água e vinagre e ferve até atingir ao 150ºC (com termómetro de açúcar é mais fácil… sem termómetro é cerca 10 minutos a ferver… começa ter só um toque da cor de castanho) – apaga o lume, bate a manteiga e corante no açúcar, mergulha com extrema cuidade as maçãs, cobrindo as bem com o caramelo – arranja na travessa e deixa pelo menos 15 mins para arrefecerem.se houver muito caramelo na panela, entorna numa outra travessa untada para ter só o caramelo – guarda numa caixa fecha ou embrulhadas em película – parte os teus dentes quando as comeres. e sim, há fotos:all hail the mighty toffee apple! perdyboiling sugar.mmmthe most useful kitchen implement EVERhard crack sugar with butter and colour addedtoffee apple with bad acne

Outubro 23, 2007

bolo do caco

Filed under: Chef Convidado — by lucy blogzira @ 3:03 pm

a minha mãe apaixonou-se com bolo do caco quando visitou Madeira há uns anos (vergonhosamente, ainda não lá fui). Levou a receita quando saíu e agora faz muito em casa em Inglaterra. É um pão deliciosamente CHEWY (desculpa, falto a palavra para CHEWY!) e aqui estou eu com a minha versão. espero que gostes.

1kg farinha
1kg (peso cru) batata doce – cozido (vaporizei minha, em cubos)
3 saquetas de fermento para pão (ou equivalent de fermento fresco)
2 colheres de chá de sal

uma vez a batata doce já estiver morna, mistura tudo muito bem, e amassa a massa como se fosse pão normal – adiciona um bocado de água, tanta que é preciso para fazer a massa mais macia e lisa – deixa provar durante uma meia hora – amassa outra vez e faz 4 a 6 bolos de espessura de cerca 3cm e de uma largura não maior de que tua frigideira – deixa os bolos crescerem mais uns 45 minutos – pre-aquece o forno a 200ºC – pre-aquece a frigideira (sem óleo) e coze cada bolo nos dois lados na frigideira até estiverem bem dourados – mete os no forno e deixa mais 20 minutos para cozerem dentro – come – os que não comes, podes pôr no congelador – fotos para ajudar as minhas instruções portuglesas.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.